Tel:(54) 3356 1474 | E-mail: contato@radiocidaders.com.br



Ministério anuncia a ampliação de público de seis vacinas ofertadas pelo SUS

O objetivo das mudanças é aumentar o número de pessoas protegidas no Brasil


fonte: ministério da saude

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira (3) mudanças no Calendário Nacional de Vacinação de 2017. Entre as mudanças anunciadas, está o aumento da oferta da vacina da hepatite A, que antes era oferecida para crianças com até dois anos de idade e, agora, será ampliada para crianças com até cinco anos.

A tetra viral - usada para prevenir o sarampo, a caxumba, a rubéola e a varicela – também vai ter a oferta ampliada para as crianças. A recomendação, agora, é que crianças de 15 meses até os quatro anos de idade tomem a vacina. Antes, a imunização era feita nas crianças com até dois anos.

De acordo com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, o objetivo das mudanças é aumentar o número de pessoas protegidas no Brasil.

O Ministério da Saúde também anunciou mudanças para a oferta da tríplice viral, que previne o sarampo, a caxumba e a rubéola. Este ano, a população de 20 a 29 anos poderá tomar uma segunda dose da vacina. Para adultos de 30 a 49 anos, a indicação é de apenas uma dose.

Além disso, a partir deste ano, a vacina do HPV também vai ser ofertada para meninos de 12 e 13 anos. A vacina já era oferecida para meninas com a mesma faixa etária.

Já a vacina meningocócica C vai ser disponibilizada para adolescentes de 12 e 13 anos de idade. A faixa etária deve ser ampliada aos poucos, até 2020, quando crianças e adolescentes de nove a 13 anos serão incluídos.

Por fim, a mudança é para a vacina dTpa adulto, contra difteria, tétano e coqueluche. Agora, a vacina é recomendada para grávidas a partir da vigésima semana de gestação. As mulheres que não se vacinarem durante a gravidez, devem receber a dose até os 40 dias após o parto.

Atualmente, o Sistema Único de Saúde oferece 19 vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde. Por ano, são disponibilizadas na rede pública cerca de 300 milhões de doses, para combater mais de 20 doenças.

ministério da saude